sábado, 22 de fevereiro de 2014

EU NÃO SOU DAQUI

Enxergo a vida como uma série de desencontros pontuada por ocasionais encontros. Quando escolhemos viver em determinado país ou cidade, quando escolhemos viver seguindo regras, fechamos as portas da nossa mente para o resto do mundo. Escolhas: escola, faculdade, casamento, paternidade, profissão, carreira. Às vezes admiro quem vive seguindo caminhos já mapeados, navegando a potente corrente desenhada pela sociedade. Será que consigo isso? Viver em sociedade é um desafio porque às vezes ficamos presos a determinadas normas que nos obrigam a seguir regras limitadoras do nosso ser ou do nosso não-ser. Quero dizer com isso que nós temos, no mínimo, duas personalidades: a objetiva, que todos ao nosso redor conhece; e a subjetiva. Em alguns momentos, esta se mostra tão misteriosa que se perguntarmos - Quem somos? Não saberemos dizer ao certo!!!Agora de uma coisa eu tenho certeza: sempre devemos ser autênticos. As pessoas precisam nos aceitar pelo que somos e não pelo que parecemos ser, e creio que por esse mundo reside o eterno conflito da aparência x essência.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

PAPO BRABO

A verdade é que não se escreve mais como antigamente; pois naquele tempo não havia computadores e, por incrível que pareça, nem mesmo canetas esferográficas. Porém, se fôssemos registrar em papel todos os absurdos do ser humano, não sobraria sequer uma resma para os cartões de Natal.

Isso posto, não de gasolina nem de saúde, já que uma é cara e a outra é carente, vamos ao que interessa. Quando digo vamos ao que interessa, vem-me logo à mente a pergunta: interessa a quem? A mim, pensará o leitor desavisado. O leitor avisado perceberá facilmente que estou me referindo em geral a assuntos interessantes e, se não forem, também não interessa.

Resolvida essa questão da maior importância para aqueles que assim pensam, passo a seguir ao tema central da discussão, por sinal uma discussão que se perpetua enquanto dura.

A pergunta é a seguinte: como abordar um tema central quando se está fora do centro e, por isso mesmo, longe do efeito da força centrífuga? Como ficam nisso tudo o centro do poder, o centro espírita, o centro da cidade e o centro sempre discutido das pessoas autocentradas? Convenhamos, o que é centro para uns é esquerda para outros e direita no sentido de quem vem.

Infelizmente, quando se entra em assunto tão polêmico, ninguém se atreve a responder. Mesmo porque, ainda nem foi perguntado. Se for e quando for, tenho certeza de que sempre haverá alguém para discordar e eu perdôo, pois essas contradições são inerentes à alma humana.

Disse alma humana? Que dizer, então, das outras almas? Da desumana, da penada, da alma do negócio e, principalmente, da alma minha gentil que te partiste/ tão cedo desta vida descontente/ repousa lá no céu eternamente?

Não quero parecer ilógico, mas seria de péssimo gosto trazer mais uma vez à baila essa intrigante questão. Aliás, pensando bem, ou mesmo pensando mal, por que trazer à baila e não levar ao baile? Ou mesmo trazer o baile à baila? Nunca tiveram a coragem de revelar essa incongruência histórica: no baile da Ilha Fiscal ninguém pagava imposto de renda.

Digam o que disserem: a dura realidade é que nenhum intelectual que se preze pode desprezar-se.

Tenho a mais absoluta convicção de ter sido claro e objetivo na colocação dessas idéias.

Para finalizar, termino.

Moral: Pode ser que esse texto seja incoerente, mas faz muito mais sentido do que o massacre dos sem-terra. Antes que eu me esqueça: a reforma agrária já começou. Criaram um ministério.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

MUNDO DISTANTE

Pras bandas de cá existe uma vida onde se véve mais, onde não há o compromisso estreito de falar perfeito, coerente ou não.Como pode algo tão simples ser tão rico?Observei pequenas coisas comparadas com nosso mundo digitalizado que são de supra importância, como o amanhecer de um novo dia. Aquele sol que surge lentamente sobre as montanhas clareando as negras nuvens e colorindo o céu em laranja e vermelho como nunca se avêra numa cidade grande. Mostra-me uma linda paisagem que a “mão” humana ainda não tange.Os causos rolando, a modernidade “ficando” e a felicidade sempre estampada.No cair da noite eu vejo o prateado da lua se banhando na nascente do rio. Agora já é noite e no imenso deserto do céu não consigo definir nem contar as estrelas que por cá vejo. O contato social vale muito mais que uma pseudo-relação estabelecida pelas engenhocas tecnológicas que “deixa” o mundo desditoso na “palm” da sua mão. Como somos parvo ao pensar que conhecemos a felicidade por um simples “click”.Deixamos de apreciar a beleza da natureza escondida num mundo distante.

terça-feira, 27 de julho de 2010

A VIDA POR FILOSOFIA E MATEMÁTICA

Sua vida é um ponto fixo de onde o compasso traça seu círculo de destino.E sendo assim, onde está a graça de ter um caminho tracejado que o levará de volta ao início?Ah!!!Eu entendi!!!Nessa circunferência, você traça a corda para poder voltar quando nada der certo. E de qualquer ponto avista sua referência no raio.Assim é mais seguro, onde a referência é eqüidistante a qualquer ponto.Mas cadê a vontade de voar? De ter a liberdade sem deixar o medo fluir atrás de você? Se deslizasse sobre o gelo da vida moderna, não ficaria surpreso se abrisse um buraco debaixo dos seus pés.Apenas deixaria levar-se na profundidade dessa nova dimensão e sairia de si. Você estava muito apressado e correndo demais para alcançar o sol.Mas ele estava se pondo, e dando uma volta para levantar-se atrás de você. Também, de nada adiantaria, já que estava mergulhando no buraco do gelo da vida moderna, que abrira debaixo dos seus pés. Você, agora, vive entre o real e a ilusão, e isto será a parte mais enriquecedora de sua vida.

sábado, 6 de março de 2010

Liberta-se

Liberdade não significa condizer com as acepções das regras para um futuro; significa ter autonomia para ter suas próprias regras.O futuro tem muitos destinos, mas ele aceitará aquele que realmente sou. E no meu destino, tem uma estrada que desapareceu. Assim, eu sinto que sou do mundo numa estrada sem rumo, onde o destino é qualquer lugar.Uma parte de mim em todo lugar; essas partes que mundo afora vou buscar.

A vida precisa de uma liberdade sem regras, pois se houver regras não há liberdade.Eu conheço todas as regras, mas elas não conheciam-me.O mundo é esplendoroso demais para fixarmos em um único lugar.Procuro o caminho pra onde o céu encontra a terra.Talvez, esteja em um planeta desalinhado, fora de nossas vistas.Nessa estrada de um ser sem preocupação, de um ponto sem retorno.

REINVENTAR-SE: RENASCER

Reinventar-se: tornar a inventar. A vida seria bem mais agradável se soubéssemos o valor da reinvenção. Simples!!!A natureza sábia já nos ensina. É preciso renascer como no amanhecer de um novo dia. Assim, surge lentamente o sol com uma sombra que caminha junto com as montanhas e clareiam as negras nuvens. Colorindo o céu com raios vibrantes em laranja e vermelho. Ao longe, me mostra a beleza de um novo horizonte. E quanto mais sua luz vai invadindo a terra, o que a noite não revela, o dia mostra pra mim. Logo, a noite daria lugar ao dia e com ele a beleza que se apodera de tudo. Agora, somos sós eu e o mundo e tudo começa aqui.

Como um velho barco toda vez que vê o mar e fica confuso, com vontade de zarpar. Ver o mar é renascer. É saber que temos obstáculos para atravessar. Perseverança. Como as ondas batendo no casco do velho barco. Devemos renascer e enfrentar mesmo que o casco esteja velho e corroído. Ver o mar, às vezes, é preciso. Apenas para termos a certeza de ainda estar-se vivo.

Escravos da Aparência

Cirurgia plástica,silicone,lipoaspiração,botox,massagens faciais,drenagens linfáticas,academias.O ser da atualidade transformou-se em uma vitrine.Não importa mais sua moral,conduta,ética, o importante é ter aparência.Mostrar que "Quem vê cara NÃO PRECISA ver coração."Um toque aqui ,uma esticada ali,perfeito!!!Em meio a modernidade, somos "escravos da aparência".

A ciência evolui no ramo da estética e consigo leva a perspectiva da "juventude eterna".Nunca estamos satisfeitos.Queremos sempre mudar algo no corpo que nos desagrada.Buscamos o modelo perfeito em pessoas ligadas à mídia.Almejamos diferentes personagens ilustres.

Luiz Henrique Costa, 21 anos, 1,68 de altura, cabelos crespos, olhos pretos.Trabalhara os últimos quatro anos como revendedor.Com sua experiência resolvera procurar uma empresa de maior porte.Mas quando fora fazer a entrevista de prache, ouviu o mais decepcionante de sua vida até então.Desculpe-nos, mas o senhor não tem o perfil estético de exigência da empresa.

Este talvez seja o preço que pagamos por um lado da evolução.A exclusão aumenta em meio a tantos rostos bonitos, cheios de "tecnologias".Tendo um rosto desses, com certeza você estará empregado em muitas empresas espalhadas por aí.Lembre-se: atitude não é nada; aparência é tudo.

Portanto,antes de dar umas voltinhas pela cidade dê uma recauchutada no visual, pois " os olhos da rua " lhe espera, para descrever sua personalidade através de sua aparência.

Seguidores